Quem sou eu

Minha foto
Brumadinho, MG, Brazil
Ivani Ferreira é professora e blogueira . Possui graduação em Letras pela Faculdade Asa de Brumadinho (2006), Normal Superior pela Universidade Federal de Montes Claros(2005), especialização em Psicopedagogia pela Universidade Federal Castelo Branco (2007), Supervisão Pedagógica pela FINON (2008). Professora efetiva na rede Municipal de Brumadinho desde 2005, porém, atua na rede municipal com turmas da Educação Infantil , Ensino Fundamental 1 e 2 , desde o ano de 2002. Trabalhou como supervisora pedagógica na Escola Municipal Leon Renault- Brumadinho/MG (2013- 2016). Atualmente trabalha como professora da Educação Infantil na EMEI Nair das Graças Prado em Brumadinho/MG. Sejam bem vindos(as)!!!

sábado, 28 de novembro de 2015

Livro A Galinha Choca de Mary França e Eliardo França















Tabalho escolar sobre : A Abolição da escravidão no Brasil - por Daniel Victor

                   Introdução 

A escravidão no Brasil teve início com os portugueses no período da colonização, pois, não existia mão-de-obra para a realização de trabalhos manuais. Diante disso, eles procuraram usar o trabalho dos índios nas lavouras; entretanto, esta escravidão não pôde ser levada adiante, pois os religiosos católicos se colocaram em defesa dos índios condenando sua escravidão. Assim, os portugueses passaram a fazer o mesmo que os demais europeus daquela época. Eles foram à busca de negros na África para submetê-los ao trabalho escravo em sua colônia. Deu-se, assim, a entrada dos escravos no Brasil. De acordo com historiadores, entre 1530 e 1850, cerca de 3,5 milhões de negros africanos foram trazidos para o Brasil para trabalharem como escravos.
Até que surge a Lei Áurea, assinada pela princesa Isabel em 13 de maio de 1888 e a escravidão foi diminuindo gradativamente.

            A abolição da escravidão no Brasil 

Os negros, trazidos do continente Africano, eram transportados dentro dos porões dos navios negreiros. Devido as péssimas condições deste meio de transporte, muitos deles morriam durante a viagem. Após o desembarque eles eram comprados por fazendeiros e senhores de engenho, que os tratavam de forma cruel e desumana.   
No ano de 1888 a escravidão foi abolida através da Lei Áurea, que foi assinada pela princesa Isabel no dia 13 de maio daquele ano. Essa medida beneficiou uma grande quantidade de escravos que ainda existia no país. Por outro lado, essa mesma medida incomodou os vários proprietários de terra que ainda dependiam da exploração do trabalho escravo para produzirem gêneros agrícolas em suas propriedades. Contudo, não podemos achar que a escravidão acabou no Brasil do dia para a noite.
No século XIX já havia movimentos que defendiam o fim da escravidão. Diversos pensadores dessa época já consideravam a escravidão um abuso e um grande problema para qualquer nação que tivesse a intenção de se desenvolver. A partir da década de 1850, percebemos que o movimento abolicionista no Brasil começou a ter maior visibilidade e isso se deve a alguns acontecimentos importantes que marcaram essa mesma época.
Em 1845, os ingleses impuseram uma lei realizando a prisão de toda a embarcação que estivesse no Oceano Atlântico transportando escravos africanos. Isso fez com que o número de escravos vindos para o Brasil diminuísse e o preço deles se elevasse justamente num tempo em que as lavouras de café aumentavam no país. Pouco tempo depois, no ano de 1850, o governo brasileiro aprovou a Lei Eusébio de Queirós. Essa lei proibia definitivamente a importação de escravos para o país. Desse modo, o preço do escravo ficou ainda mais caro para os grandes proprietários de terra.
Para suprir a falta de escravos, os proprietários de terra passaram a atrair imigrantes europeus que ocupariam as vagas de trabalho existentes nas lavouras. Para alguns intelectuais brasileiros, essa presença era benéfica na medida em que os europeus eram considerados “superiores”. Mais do que trazer a cultura europeia para o Brasil, a presença dos imigrantes viria, ao longo das décadas, promover o “branqueamento” da nossa população. Esse era outro argumento dos intelectuais que na época, infelizmente, acreditavam que os negros e mestiços eram grupos raciais com menor capacidade intelectual.
Após a Lei Eusébio de Queirós, podemos destacar outras leis abolicionistas que foram aprovadas pelo governo de Dom Pedro II. No ano de 1871, a Lei do Ventre Livre determinou que todos os filhos de escravos nascidos a partir daquela data estariam livres. Apesar de livrar as próximas gerações da escravidão, essa medida só era aplicada assim que o filho de escravo atingisse os 21 anos de idade. O filho de escravo passava uma parte de sua infância e juventude na fazenda junto aos demais escravos, tendo sua força de trabalho explorada. Além disso, após atingir a maioridade, encontrava dificuldades em abandonar seus pais e enfrentar uma vida incerta.
Dezesseis anos mais tarde, no ano de 1885, a Lei dos Sexagenários livrava os escravos com mais de sessenta anos da escravidão. A medida também tinha uma aparência benéfica. Contudo, era muito pequena a quantidade de escravos com mais de sessenta anos. No século XIX, a média de idade da população girava em torno dos quarenta anos de idade. Além disso, devemos lembrar que um escravo idoso trazia mais despesa do que lucro para o seu proprietário. Sendo assim tal lei teria um impacto pequeno na população de escravos.
Quando atingimos a década de 1880, vemos que diferentes setores da sociedade defendiam o fim da escravidão. Ao mesmo tempo, devemos salientar que um número significativo de proprietários de terra empregava a mão de obra dos imigrantes europeus no lugar dos escravos, que tinham um preço ainda mais elevado nessa época. Dessa forma, já tínhamos a clara impressão que a extinção do trabalho escravo no Brasil seria uma questão de tempo.
Sendo assim, no ano de 1888, quando a princesa Isabel estabeleceu o fim da escravidão pela Lei Áurea, essa modalidade de exploração da mão de obra se mostrava inviável. Devemos aqui destacar que a abolição só deu fim à escravidão, mas não deu fim à exploração do trabalho dos ex-escravos. Afinal de contas, a Lei Áurea não contava com nenhum tipo de auxílio ou projeto que facilitasse o grande número de negros libertos a serem devidamente inseridos na sociedade brasileira.
Observando todos esses fatos que marcam o fim da escravidão no Brasil, temos a nítida impressão que tudo ocorreu de modo lento. Da lei Eusébio de Queirós até a Lei Áurea passaram-se quase quarenta anos. Ao mesmo tempo, as leis aprovadas nesse meio tempo eram de impacto lento ou muito tímido. Por fim, vemos que a lei que encerra a exploração da força de trabalho dos negros não falava sobre os desafios e problemas que essa grande parcela da população enfrentaria a partir daquele momento.
Conclusão

Após a abolição, a vida dos negros brasileiros continuou muito difícil. O estado brasileiro não se preocupou em oferecer condições para que os ex-escravos pudessem ser integrados no mercado de trabalho formal e assalariado. Muitos setores da elite brasileira continuaram com o preconceito. Prova disso, foi a preferência pela mão-de-obra europeia, que aumentou muito no Brasil após a abolição. Portanto, a maioria dos  negros encontrou grandes dificuldades para conseguir empregos e manter uma vida com o mínimo de condições necessárias de moradia e educação principalmente. Atualmente a luta dos negros  é pela igualdade racial.

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Entrevista /perguntas e respostas sobre o faz de conta nas escolas

De que maneira os conteúdos trabalhados no faz de conta enfatizaram os conteúdos de zero a dois anos?

Os conteúdos trabalhados no faz de conta enriquecem o trabalho com as crianças de zero a dois anos. Através do faz de conta a criança age como protagonista, desenvolvendo sua capacidade de participação, socialização, interação aluno x aluno e professor x aluno.

Por exemplo: Cantinhos temáticos com blocos, cones, cubos para a criança empilhar; tampinhas de Toddy de tamanhos diversificados (pequeno, médio e grande) as quais as crianças exploram colocando uma dentro da outra de acordo com a forma, empilhado fazendo pirâmides, utilizando como pratinhos, entre outras possibilidades que a imaginação permitir; chocalhos feitos com garrafas pet, com diversos grãos para desenvolver a percepção auditiva e ritmo musical, bonecas, carrinhos, panelinhas auxiliam na imitação de atitudes familiar, no desenvolvimento da imaginação , diálogo e autonomia...etc.

Quais os desafios relacionados a essa faixa etária?
Os desafios relacionados a essa faixa etária está ao “Cuidar e educar”. Assim, através de aulas/rotinas bem planejadas o professor propõe atividades desafiadoras proporcionado o desenvolvimento dos alunos.
Durante as brincadeiras/faz de conta o professor atua indiretamente, organizando o espaço e observando os alunos durante as atividades intervindo em situações de conflitos. Atua também diretamente, incentivando o brincar para aquelas crianças mais tímidas, lembrando as regras de convivência, entre dividir o brinquedo, não morder o coleguinha ao passar dentro de um túnel.  O professor deve registrar momentos significativos e colorar com um relato no portfólio. Ex: Ana utilizou um copinho para pegar água na maçaneta da porta e deu para sua colega Maria tomar, perguntando, tá com sede? Aproveitar para usar uma foto e um registro.

Dê um exemplo do que acontece atualmente e que antes não ocorria em relação ao faz de conta.
Atualmente a escola, professores e os pais estão tendo outro “olhar” para o faz de conta. Antes poderia se visto como um momento de entretenimento, agora como um momento de muita aprendizagem e descobertas.

Outra mudança é a organização do espaço para o momento da brincadeira. Não é apenas despejar os brinquedos, mas preparar o espaço com carinho pensando no desenvolvimento dos alunos.

sábado, 21 de novembro de 2015

VIII Alfalendo, em Lagoa Santa,MG / 2015

Projeto de Leitura e Escrita coordenado por Magda Soares,

      Aconteceu nos dias 18, 19 e 20 de novembro de 2015, a exposição Alfalendo. Este evento foi criado a partir do projeto Alfaletrar com o apoio do Núcleo de Alfabetização e Letramento, coordenado pela professora emérita da UFMG Magda Soares.
   A exposição tem o objetivo de compartilhar as práticas literárias desenvolvidas pelos professores da rede municipal de ensino com seus alunos na área da alfabetização e letramento. É um trabalho educativo, totalmente voltado para a literatura onde é apresentado à comunidade as produções literárias criadas pelos alunos e professores durante o ano letivo.
     No dia 19 de novembro a professora Regina Esméria de Morais foi , juntamente, com outros educadores de Brumadinho, prestigiar o evento e adquirir novos conhecimentos. É através  de troca de experiências que vamos criando, recriando e assim inovando nossa prática pedagógica. 

Gostaríamos de aproveitar para parabenizar a todos os envolvidos, pelos belíssimos trabalhos expostos!






















































































































Amo  Magda soares!!!
    Link/ Magda Soares responde dúvidas de professores alfabetizadores...
http://www.ceale.fae.ufmg.br/pages/view/magda-soares-responde-5.html